a estrutura do projeto

A NATUREZA E O TEMPO (O MUNDO): A ESTRUTURA DO PROJETO
docente responsável: Euler Sandeville Jr.
Pesquisar é indagar a existência.
φύσις κόσμος αίων κρόνος καιρός
este mundo está em guerra, embora muitos de nós desejem a paz

como citar:
SANDEVILLE JR., Euler. “A Natureza e o Tempo (o Mundo): a estrutura do projeto“. A Natureza e o Tempo (o Mundo), on line, São Paulo, 2016.

I. A NATUREZA E O TEMPO (O MUNDO): POÉTICAS E REPRESENTAÇÕES
1. APRESENTAÇÃO, CONCEITOS E MÉTODOS
1. CONCEITUAÇÃO (apresenta a proposta do trabalho)

2. CRONOS: MUNDOS (Algumas questões de método)

3. GEO (As regiões do mundo, adotadas neste projeto)

2. SOBRE A ANTIGUIDADE DOS MUNDOS

1. A AURORA NA NEBLINA (os relatos das origens, até o neolítico)
Nossa Terra incógnita: amnésia e imaginação: hic sunt dracones

2. A LONGA ANTIGUIDADE DOS MUNDOS I (3500 a.C. 64 a.C.)
A natureza, o sagrado e o sobrenatural, o divino, as terras e os tempos.

3. A LONGA ANTIGUIDADE DOS MUNDOS II (63 a.C. a 1054 d.C.)
A natureza, o sagrado e o sobrenatural, o divino, as terras e os tempos.

4. MUNDUS NOVUS (cerca 1054 a 1750/1774)
A invenção da Europa, a nova Antiguidade. Do sobrenatural à natureza.

3. SOBRE A BREVIDADE DO PRESENTE

5. MUNDOS MODERNOS (c.1750 A 1945).

6. MUNDOS CONTEMPORÂNEOS (OU DEPOIS DO FIM DO MUNDO) (depois de 1945).
O mundo como matéria. about:config: hic sunt dracones.

4. NATUREZA E CULTURA NO BRASIL

5. TEMAS TRANSVERSAIS

6. PLANETÁRIO

 

II. AION

1. PERÍODOS E TEMPOS

1. A AURORA NA NEBLINA (os relatos das origens, até o neolítico)
Nossa Terra incógnita: amnésia e imaginação: hic sunt dracones

2. A LONGA ANTIGUIDADE DOS MUNDOS I (3500 a.C. 64 a.C.)
A natureza, o sagrado e o sobrenatural, o divino, as terras e os tempos.

[ 3500 a.C. a 1571 a.C. ]

[ 1570 a.C. a 1150 a.C. ]

[ 1550 a.C. a 0900 a.C. ]

[ 0900 a.C. a 0613 a.C. ]

[ 0612 a.C. a 0 539 a.C. ]

[0 538 a.C. a 0337 a.C. ]

[0 336 a.C. a 0064 a.C. ] Continuar lendo

a abordagem do projeto a natureza e o tempo (o mundo)

A ABORDAGEM DO PROJETO A NATUREZA E O TEMPO (O MUNDO)
Euler Sandeville Jr.
Versão inicial 18/03/2016. Novo texto: 06/03/2017. Revisões importantes: 15/06/2017, 21/08/2017, 14/06/2018, 04/08/2018.

como citar:
SANDEVILLE JR., Euler. “A abordagem do projeto A Natureza e o Tempo (o Mundo)“. A Natureza e o Tempo (o Mundo)on line, São Paulo, 2018.

A Natureza e o Tempo (o Mundo)…

The Blue Marble. Fotografia da Terra, tirada em 7 de dezembro de 1972 pela tripulação da missão Apollo 17, a uma distância de aproximadamente 45 000 km da Terra, a caminho da Lua.Oficialmente, a NASA credita a imagem a toda a tripulação da Apollo 17 — Eugene A. Cernan, Ronald E. Evans e Harrison H. Schmitt — todos tirando fotografias durante a missão, com uma câmara Hasselblad. Posteriormente, Schmitt alega que foi o autor desta imagem famosa, embora a identidade do fotógrafo não possa ser confirmada. The Blue Marble foi a primeira imagem nítida de uma face iluminada da Terra. Publicada no auge do ativismo ambiental durante os 1970s, a imagem foi vista por muitos como um retrato da fragilidade da Terra, vulnerável e isolada no espaço. Disponível em pt.wikipedia.org/wiki/The_Blue_Marble acesso em 18/07/2018

O título deste projeto admite infinitas abordagens e recortes cronológicos e espaciais, mobiliza o imaginário e as poéticas, as crenças e os saberes. Foi concebido para permitir, por um lado, visões temáticas do que chamamos de [nossa?] história. Os ensaios  Continuar lendo

apresentação, conceitos e métodos

PRIMEIRA PARTE: APRESENTAÇÃO, CONCEITOS E MÉTODOS
Euler Sandeville Jr.

φύσις κόσμος αίων κρόνος καιρός
DO BIG BANG AO DEPOIS DE AMANHÃ
Como citar material deste sítio?↑

 

1. CONCEITUAÇÃO (apresenta a proposta do trabalho)

1. PESQUISAR É INDAGAR A EXISTÊNCIA. Página de abertura da seção e do blog.

2. A PESQUISA: REPRESENTAÇÕES E POÉTICAS.

3. A ABORDAGEM DO PROJETO A NATUREZA E O TEMPO. Uma rápida apresentação do projeto que origina o sítio.

4. VISÕES DA NATUREZA E DO MUNDO. Conceituação para este projeto de “Natureza” e “Mundo”.

5. A ESTRUTURA DO PROJETO

2. CRONOS: MUNDOS (Algumas questões de método)

1. UMA LINHA DO TEMPO. Gráfico de apoio.

2. COSMOS: MUNDOS. Página intuitiva de abertura da seção.

3. O DILEMA DE CRONOS (2016). Página intuitiva de abertura da seção.

4. O DILEMA DE CRONOS (2017). Página de abertura da seção.

5. BREVE ADVERTÊNCIA SOBRE PERÍODOS, E SOBRE A ORGANIZAÇÃO DA NAVEGAÇÃO NESTE SÍTIO. Página discute de modo sintético problemas, limites e validade das periodizações.

6. OS TEMPOS E OS MUNDOS. TODOS E PARTES. Euler Sandeville Jr. Apresenta a construção dos blocos temáticos que organizam as narrativas do sítio.

7. PLANETÁRIO. OS TEMPOS E OS MUNDOS. A PASSAGEM DOS TEMPOS E DOS LUGARES ∞. Euler Sandeville Jr. Apresenta o estágio atual de módulos temporais adotados no projeto  para organizar os estudos, as fontes e algumas narrativas.

3. GEO (As regiões do mundo neste projeto)

conteúdo ainda não disponibilizado

OUTROS ↑

SOBRE O AUTOR

SOBRE O SÍTIO

COMO CITAR MATERIAL DESTE SÍTIO?

SOBRE AS IMAGENS DESTE SÍTIO

LICENÇA DE USO DO CONTEÚDO

POLÍTICA DE DIREITOS AUTORIAS

ATUALIZAÇÕES E AMADURECIMENTO DO PROJETO ENTRE 13/01/2016 E 02/04/2017↑. Euler Sandeville Jr. Este artigo é um registro da fase inicial da evolução e amadurecimento deste sítio, entre janeiro de 2016 e abril de 2017.

 

Foto Euler Sandeville, Folha, detalhe, 2009.

Folha, detalhe. Foto de Euler Sandeville, 2009.

 

 

Licença de Uso↑

Entre em contado conosco↑

Como citar material deste sítio?↑

 


núcleo de estudos da paisagem
a natureza e o tempo (o mundo)
um projeto de euler sandeville

 

 

 

 

 

 

 

 

 

pesquisar é indagar a existência

 

como citar:
SANDEVILLE JR., Euler. “Pesquisar é indagar a existência“. A Natureza e o Tempo (o Mundo), on line, São Paulo, 2018-2019. Disponível em https://anaturezaeotempo.net.br/2018/06/15/pesquisa/, acesso em XX/XX/XXXX.

 

Todo esforço de conhecimento sempre foi, para mim, um esforço de indagação do mundo, do ser no mundo entre outros, de crítica social e cultural, de suas heranças, de debate comportamental, de condição existencial. Não me proponho, como nunca me propus desde que comecei minha atividade de pesquisa e docência, a excluir os campos das sensibilidades ou o das razões no processo cognitivo de construir conhecimento, nem os riscos e desafios de pensar os acontecimentos. Trata-se de elaborar um exercício profundo e continuado, discernindo entre a informação e sua crítica, o confronto de saberes longamente formulados e as narrativas que vão se reconstruindo. Essa construção da história e do presente é uma inquieta gestação de nossa condição humana e espiritual (quando se reconhece uma), e sua indagação é também a problematização de para onde apontam os movimentos em curso, dos quais percebemos por vezes apenas as sombras em movimento.

Caspar David Friedrich (1774-1840), Caminhante Sobre o Mar de Névoa. By Caspar David Friedrich – Web Gallery of Art, Public Domain [commons.wikimedia.org/w/index.php?curid=1037098 acesso em 09/03/2016]

A Natureza e o Tempo (o Mundo) desenvolve estudos de história cultural da natureza e dos saberes e processos criativos na transformação do espaço, em uma perspectiva crítica dos nexos nos processos de sua produção, com foco nos campos da representação e do imaginário, da construção e transformação de significados, valores e comportamentos e das tensões entre diferentes territorialidades e representações culturais. Coloca-se em questão as visões de mundo e a construção de seus significados, bem como os esforços interpretativos, que os diversos sujeitos e projetos mobilizam no âmbito do imaginário e da cultura e nos processos de produção social das paisagens, suas formas de subjetivação, apropriação, valoração e gestão.

Duas imagens do mundo em 1972, por fora e por dentro:

The Blue Marble. Fotografia da Terra, tirada em 7 de dezembro de 1972 pela tripulação da missão Apollo 17, a uma distância de aproximadamente 45 000 km da Terra, a caminho da Lua.Oficialmente, a NASA credita a imagem a toda a tripulação da Apollo 17 — Eugene A. Cernan, Ronald E. Evans e Harrison H. Schmitt — todos tirando fotografias durante a missão, com uma câmara Hasselblad. Posteriormente, Schmitt alega que foi o autor desta imagem famosa, embora a identidade do fotógrafo não possa ser confirmada. The Blue Marble foi a primeira imagem nítida de uma face iluminada da Terra. Publicada no auge do ativismo ambiental durante os 1970s, a imagem foi vista por muitos como um retrato da fragilidade da Terra, vulnerável e isolada no espaço. Disponível em pt.wikipedia.org/wiki/The_Blue_Marble acesso em 18/07/2018

Phan Thị Kim Phúc, também conhecida como Kim Phúc (Trảng Bàng, Vietnã, 2 de abril de 1963), então com de 9 anos. Em 8 de junho de 1972, fugia durante bombardeios de Napalm pelos EUA na Guerra do Vietnã, na Rota 1 perto de Trang Bang, depois de um ataque aéreo contra suspeitos de esconderijos vietcongues. Fotógrafo Huynh Cong Ut (tinha 21 anos) da agência Associated Press e recebeu o World Press Photo de 1972 e o Pulitzer de Reportagem Fotográfica de 1973. Não menciona restrição de direito autoral ou de reprodução. Disponível em npr.org/sections/goatsandsoda/2015/09/04/437582231/an-image-of-a-child-can-change-the-way-we-see-the-world, acesso em 04/03/2016.

Continuar lendo

visões da natureza e do mundo

visões da natureza e do mundo
Euler Sandeville Jr.
Versão inicial 07/01/2016. Ampla revisão definindo um novo texto: 14/02/2017. Atualização: 15/06/2017.

para citar este artigo:
SANDEVILLE JR., Euler. “Visões da natureza e do mundo”. A Natureza e o Tempo (o Mundo), on line, São Paulo, 15 de junho de 2017.

Simulação do cosmo em bilhões de anos (Künstlicher Kosmos emuliert Milliarden Jahre im Zeitraffer Simulation des Universums Künstlicher Kosmos emuliert Milliarden Jahre im Zeitraffer, Video: Nature Video, Foto: Illustris Collaboration). Imagem capturada da página de apresentação do vídeo. Fonte: sueddeutsche.de/wissen/simulation-des-kosmos-forscher-erschaffen-digitales-universum-1.1953657 Acesso em 30/01/2016

O antropólogo Eduardo Viveiros de Castro menciona que Nélson Gonçalves teria dito a nosso respeito: “O ser humano, tal como o imaginamos, não existe” [1]. Já Clement Rosset [2], com certo pessimismo e impaciência intelectual procura nos demonstrar que a natureza não é um conceito, mas um desejo: o desejo de uma ordem na total ausência de finalidade do acaso. E Lenoble [3], tratando da história da ideia de natureza, nos diz que o homem sempre observou a natureza, só que não era a mesma.

Continuar lendo