a abordagem do projeto a natureza e o tempo (o mundo)

a abordagem do projeto A Natureza e o Tempo (o Mundo)
Euler Sandeville Jr.
Versão inicial 18/03/2016. Novo texto: 06/03/2017. Revisões importantes: 15/06/2017, 21/08/2017, 14/06/2018, 04/08/2018.

A Natureza e o Tempo (o Mundo)… O título deste projeto admite infinitas abordagens e recortes cronológicos e espaciais, mobiliza o imaginário e as poéticas, as crenças e os saberes. Foi concebido para permitir, por um lado, visões temáticas do que chamamos de [nossa?] história. Os ensaios Continuar lendo

conceituação

PRIMEIRA PARTE: APRESENTAÇÃO, CONCEITOS E MÉTODOS
Euler Sandeville Jr.

φύσις κόσμος αίων κρόνος καιρός
DO BIG BANG AO DEPOIS DE AMANHÃ
Como citar material deste sítio?↑

 

I. CONCEITUAÇÃO (apresenta a proposta do trabalho)

1. APRESENTAÇÃO. Euler Sandeville Jr. Página inicial do projeto.

2. A PESQUISA: REPRESENTAÇÕES E POÉTICAS. Euler Sandeville Jr.

3. A ABORDAGEM DO PROJETO A NATUREZA E O TEMPO. Uma rápida apresentação do projeto que origina o sítio.

4. VISÕES DA NATUREZA E DO MUNDO. Euler Sandeville Jr. Conceituação para este projeto de “Natureza” e “Mundo”.

II. CRONOS: MUNDOS (Algumas questões de método)

1. UMA LINHA DO TEMPO. Euler Sandeville Jr. Gráfico de apoio.

2. COSMOS: MUNDOS. Euler Sandeville Jr. Página intuitiva de abertura da seção.

3. O DILEMA DE CRONOS (2016). Euler Sandeville Jr. Página intuitiva de abertura da seção.

4. O DILEMA DE CRONOS (2017). Euler Sandeville Jr. Página de abertura da seção.

5. BREVE ADVERTÊNCIA SOBRE PERÍODOS, E SOBRE A ORGANIZAÇÃO DA NAVEGAÇÃO NESTE SÍTIO. Euler Sandeville Jr. Página discute de modo sintético problemas, limites e validade das periodizações.

6. OS TEMPOS E OS MUNDOS. TODOS E PARTES. Euler Sandeville Jr. Apresenta a construção dos blocos temáticos que organizam as narrativas do sítio.

7. PLANETÁRIO. OS TEMPOS E OS MUNDOS. A PASSAGEM DOS TEMPOS E DOS LUGARES ∞. Euler Sandeville Jr. Apresenta o estágio atual de módulos temporais adotados no projeto  para organizar os estudos, as fontes e algumas narrativas.

 

OUTROS ↑

SOBRE O AUTOR

SOBRE O SÍTIO

COMO CITAR MATERIAL DESTE SÍTIO?

SOBRE AS IMAGENS DESTE SÍTIO

LICENÇA DE USO DO CONTEÚDO

POLÍTICA DE DIREITOS AUTORIAS

ATUALIZAÇÕES E AMADURECIMENTO DO PROJETO ENTRE 13/01/2016 E 02/04/2017↑. Euler Sandeville Jr. Este artigo é um registro da fase inicial da evolução e amadurecimento deste sítio, entre janeiro de 2016 e abril de 2017.

 

Foto Euler Sandeville, Folha, detalhe, 2009.

Folha, detalhe. Foto de Euler Sandeville, 2009.

 

 

Licença de Uso↑

Entre em contado conosco↑

Como citar material deste sítio?↑

 


núcleo de estudos da paisagem
a natureza e o tempo (o mundo)
um projeto de euler sandeville

 

 

 

 

 

 

 

 

 

a pesquisa: representações e poéticas

Arte, Natureza e Cidade. Estudos em História da Cultura e da Paisagem: Representações e Poéticas
Euler Sandeville Jr.

Latim: Schema huius praemissae divisionis sphaerarum. · Coelum empireum habitaculum dei et omnium electorum · 10 Decimum coelum primu mobile · 9 Nonu coelum cristallinum · 8 Octavum [coelum] firmamentu · 7 Coelu saturni · 6 [Coelu] Iovis · 5 [Coelu] Martis · 4 [Coelu] Solis · 3 [Coelu] Veneris · 2 [Coelu] Mercurii · 1 [Coelu] Lunae
Esquema da referido divisão das esferas. · O Empíreo céu (de fogo), habitação de Deus e de toda os eleitos · 10 Décimo Céu, causa primeira · 9 Nono céu, cristalino · 8 Oitavo céu do firmamento · 7 Céu de Saturno · 6 Jupiter · 5 Marte · 4 Sol · 3 Venus · 2 Mercúrio · 1 Lua. Fonte: Peter Apian, Cosmographia, Antuépia, 1524 (fonte mencionada Edward Grant, “Celestial Orbs in the Latin Middle Ages”, Isis, Vol. 78, No. 2. (Jun., 1987), pp. 152-173.) Disponível em commons.wikimedia.org/wiki/File:Ptolemaicsystem-small.png. Acesso em 30/01/2016.


Pesquisar é indagar a existência.

Todo esforço de conhecimento sempre foi, para mim, um esforço de indagação do mundo, do ser no mundo entre outros, de crítica social e cultural, de suas heranças, de debate comportamental, de condição existencial. Não me proponho, como nunca me propus desde que comecei minha atividade de pesquisa e docência, a excluir os campos das sensibilidades ou o das razões no processo cognitivo de construir conhecimento, nem os riscos e desafios de pensar os acontecimentos. Trata-se de elaborar um exercício profundo e continuado, discernindo entre a informação e sua crítica, o confronto de saberes longamente formulados e as narrativas que vão se reconstruindo. Essa construção da história e do presente é uma inquieta gestação de nossa condição humana e espiritual (quando se reconhece uma), e sua indagação é também a problematização de para onde apontam os movimentos em curso, dos quais percebemos por vezes apenas as sombras em movimento.

Simulação do cosmo em bilhões de anos (Künstlicher Kosmos emuliert Milliarden Jahre im Zeitraffer Simulation des Universums Künstlicher Kosmos emuliert Milliarden Jahre im Zeitraffer, Video: Nature Video, Foto: Illustris Collaboration). Imagem capturada da página de apresentação do vídeo. Fonte: sueddeutsche.de/wissen/simulation-des-kosmos-forscher-erschaffen-digitales-universum-1.1953657 Acesso em 30/01/2016

A linha de pesquisa docente Continuar lendo

visões da natureza e do mundo

visões da natureza e do mundo
Euler Sandeville Jr.
Versão inicial 07/01/2016. Ampla revisão definindo um novo texto: 14/02/2017. Atualização: 15/06/2017.

para citar este artigo:
SANDEVILLE JR., Euler. “Visões da natureza e do mundo”. A Natureza e o Tempo (o Mundo), on line, São Paulo, 15 de junho de 2017.

Simulação do cosmo em bilhões de anos (Künstlicher Kosmos emuliert Milliarden Jahre im Zeitraffer Simulation des Universums Künstlicher Kosmos emuliert Milliarden Jahre im Zeitraffer, Video: Nature Video, Foto: Illustris Collaboration). Imagem capturada da página de apresentação do vídeo. Fonte: sueddeutsche.de/wissen/simulation-des-kosmos-forscher-erschaffen-digitales-universum-1.1953657 Acesso em 30/01/2016

O antropólogo Eduardo Viveiros de Castro menciona que Nélson Gonçalves teria dito a nosso respeito: “O ser humano, tal como o imaginamos, não existe” [1]. Já Clement Rosset [2], com certo pessimismo e impaciência intelectual procura nos demonstrar que a natureza não é um conceito, mas um desejo: o desejo de uma ordem na total ausência de finalidade do acaso. E Lenoble [3], tratando da história da ideia de natureza, nos diz que o homem sempre observou a natureza, só que não era a mesma.

Há, Continuar lendo