uma linha do tempo

uma linha do tempo
Euler Sandeville Jr.

 

Exemplo de uma linha do tempo tradicional, dando uma ideia de sequenciação linear do tempo e a possibilidade reconfortante de situar eventos em um quadro interpretativo, definindo assim a priori sua significação. Embora possamos discordar de vários aspectos dessa representação, considero interessante para uma visualização da forma tradicional de conceber a história, e de interesse didático para etapas iniciais de estudo ao ajudar a localização temporal e espacial (em alguma medida) do estudante.

 

Concepção e organização Euler Sandeville (1983, revisado) Continuar lendo

o dilema de cronos (2016)

o dilema de cronos (2016)
Euler Sandeville Jr.
06/03/2016

As imagens a seguir propõem uma reflexão sobre o dilema do tempo, seu simbolismo, seus ciclos e a profunda vinculação entre a vida e morte que o tempo sugere em nossa cultura, em seu desejo tenaz de persistência e o drama de sua passagem.

Zeus e Hera, Museu Albertina (1750), Viena. Zeus (Ζεύς), era o pai dos deuses e dos homens com a autoridade sobre os deuses olímpicos, após destronar Cronos, seu pai, que havia devorado os filhos e obrigá-lo a vomitá-los. (fonte: pre09.deviantart.net/05b4/th/pre/i/2006/203/f/6/vienna_statue_by_darkdeutsch.jpg acesso 22/01/2016)

Templo de Zeus em Olímpia, 2006, com o local onde se encontrava a estátua de Zeus realizada por Fídias, no século V a.C. por volta de 450 a.C, quando a cidade já caíra sob o domínio de Esparta, considerada a quinta maravilha do mundo antigo. (fonte: commons.wikimedia.org/wiki/File:Tempio_di_Zeus_Olimpia_April_2006.jpg acesso 22/01/2016)

como citar material desta página Continuar lendo

o dilema de cronos (2017)

O dilema de cronos (2017)
Euler Sandeville Jr.
20/07/2017

como citar:
SANDEVILLE JR., Euler. “O dilema de cronos (2017)“. A Natureza e o Tempo (o Mundo), on line, São Paulo, 2017. Disponível em https://anaturezaeotempo.net.br/2018/06/15/o-dilema-de-cronos/  acesso em DIA/MÊS/ANO.

Esta seção deve problematizar o tempo. Ou melhor, o modo como lidamos com a ideia de tempo. O tempo é inerente à nossa visão da natureza e do mundo, mas nem sempre foi, como diria Robert Lenoble à respeito da ideia de natureza, o mesmo. Nem todas as épocas conceberam o tempo do mesmo modo, nem Continuar lendo

a natureza e o tempo

Destacado

este sítio está sendo transferido para http://ensinoepesquisa.net.br/ seção história da cultura; o domínio  anaturezaeotempo.net.br  em breve será direcionado para lá

Caspar David Friedrich (1774-1840), Caminhante Sobre o Mar de Névoa. By Caspar David Friedrich – Web Gallery of Art, Public Domain [commons.wikimedia.org/w/index.php?curid=1037098 acesso em 09/03/2016]

A Natureza e o Tempo (o Mundo) é um espaço de pensamento e elaboração sobre as pesquisas em minha linha de estudos Arte, Natureza e Cidade. Estudos em História da Cultura e da Paisagem (Representações e Poéticas), iniciada nos anos 1980. A proposta que alimenta este sítio foi concebida como síntese de uma intensa reflexão sobre esses estudos que atravessou o ano de 2015, convergindo no projeto A Natureza e o Tempo (o Mundo) a partir do janeiro de 2016.

O sítio do projeto é mais do que um espaço de extroversão e de apoio ao ensino e diálogo com internautas, o que também é, mas configura-se como um espaço experimental e de pensar em processo. Os estudos de história da cultura tomam como objetos de ponderação a natureza e a construção do espaço habitado (considerando as relações entre as artes, a cultura, as paisagens, o comportamento). Os conteúdos inserem-se em uma perspectiva de longa duração convergindo na reflexão sobre nossa condição contemporânea e em ensaios temáticos recortados nesses longos períodos ou a eles transversais.

Esta interface virtual, portanto, não é apenas uma proposta de extroversão das pesquisas e estudos. É mais um espaço de indagação e proposição pessoal em elaboração contínua, não linear. De certo modo, funciona como um caderno de reflexões que se refaz sempre que necessário. Isto é, os textos, e toda a modulação do sítio, suas páginas e imagens, integram tanto um projeto de construção e significação do conhecimento, quanto pretendem ser um projeto comunicativo! Não está isento de tensões, de posicionamentos que podem ser revistos, de tatear os significados de modo exploratório e de vislumbrar horizontes.

 

duas imagens do mundo em 1972, por fora e por dentro:

The Blue Marble. Fotografia da Terra, tirada em 7 de dezembro de 1972 pela tripulação da missão Apollo 17, a uma distância de aproximadamente 45 000 km da Terra, a caminho da Lua.Oficialmente, a NASA credita a imagem a toda a tripulação da Apollo 17 — Eugene A. Cernan, Ronald E. Evans e Harrison H. Schmitt — todos tirando fotografias durante a missão, com uma câmara Hasselblad. Posteriormente, Schmitt alega que foi o autor desta imagem famosa, embora a identidade do fotógrafo não possa ser confirmada. The Blue Marble foi a primeira imagem nítida de uma face iluminada da Terra. Publicada no auge do ativismo ambiental durante os 1970s, a imagem foi vista por muitos como um retrato da fragilidade da Terra, vulnerável e isolada no espaço. Disponível em pt.wikipedia.org/wiki/The_Blue_Marble acesso em 18/07/2018

Phan Thị Kim Phúc, também conhecida como Kim Phúc (Trảng Bàng, Vietnã, 2 de abril de 1963), então com de 9 anos. Em 8 de junho de 1972, fugia durante bombardeios de Napalm pelos EUA na Guerra do Vietnã, na Rota 1 perto de Trang Bang, depois de um ataque aéreo contra suspeitos de esconderijos vietcongues. Fotógrafo Huynh Cong Ut (tinha 21 anos) da agência Associated Press e recebeu o World Press Photo de 1972 e o Pulitzer de Reportagem Fotográfica de 1973.